Novas tecnologias

Casos de síndrome de computador em crianças estão aumentando


Devido ao aumento do uso de dispositivos como computadores, tablets e até mesmo celulares, o surgimento do síndrome do computador em crianças e em pessoas que passam várias horas por dia usando. Você realmente sabe o que é, seus sintomas e suas causas? E, o mais importante, você sabe como evitá-lo?

O vício em Internet é um fenômeno relativamente novo e comum entre crianças e adolescentes hoje. Uma prática que gera TOC que influencia significativamente seu comportamento e que tem consequências em diferentes sistemas do corpo, causando desconforto no sistema musculoesquelético como dor de cabeça, pescoço, ombro, cotovelo ou mão, dor nas costas ou lombar, contraturas, tendinite, sobrecargas ou problemas de disco, entre outros.

Também foram descobertas alterações no sistema ocular (visão turva, visão dupla, dor nos olhos, lacrimejamento, fadiga visual, olho seco ou irritado, coceira, vermelhidão, sensibilidade à luz) ou outras variadas, como náusea, vertigem ou dor de cabeça.

Todos esses sintomas de síndrome do computador Resultam em sérios problemas físicos e psicológicos para as crianças, como ergonomia deficiente no local de jogo, estudo ou trabalho, músculos posturais fracos, problemas físicos, pouco descanso, estresse, problemas oculares ou distúrbios na acomodação ou convergência.

A grande questão que muitos pais se perguntam é como prevenir síndrome do computador, também conhecido como síndrome da tela de exibição. Além de tentar diminuir o número de horas do dia na frente de algum desses aparelhos, é importante observar algumas dicas:

1. Melhore a ergonomia
A cabeça e o pescoço ficam retos. Se traçarmos uma linha imaginária olhando para a pessoa sentada de perfil, ela deve ser reta desde as orelhas, centro do ombro, cotovelo e quadris. Os olhos, por outro lado, devem estar a cerca de 50-70 cm da tela, na mesma altura do topo ou um pouco abaixo, formando um ângulo de 20º-30º com ela. Ele sempre ficará de frente, nunca de lado.

Use um bom assento, melhor se for ergonômico. O encosto não deve ser muito alto, deve ser flexível e com ligeira curvatura. A coluna deve ficar reta apoiada no encosto. A altura deve ser regulável para que possamos apoiar bem os pés no chão e garantir que as coxas fiquem paralelas a ele. Devemos deixar espaço suficiente entre a borda do assento e a face póstero-inferior da coxa, para evitar pressionar os óculos.

Os quadris formarão um ângulo de 90º com as costas. As pernas devem estar ligeiramente abertas, formando um ângulo de 90º entre o quadril e os joelhos. O apoio do assento deve ser giratório e estável com pelo menos cinco rodas.

Colocaremos o teclado a 10-15 cm da borda da mesa, e tentaremos trabalhar mantendo os cotovelos próximos ao corpo e em ângulo reto, apoiando os antebraços na mesa e com os ombros relaxados. O antebraço, o punho e a mão devem estar em linha reta, evitando dobrar os punhos e colocá-los na borda da mesa. Quanto mais largo for o teclado, mais ele o força a fazer movimentos repetitivos desnecessários. É aconselhável usar um apoio para as mãos e evitar torcer o pulso ao clicar com o mouse.

O mouse ficará próximo ao teclado, tentando manter um eixo que passa pelo terceiro dedo e pelo centro do antebraço, deixando o punho relaxado em posição neutra, (com leve extensão e semiflexão dos dedos) e com estes perpendiculares ao teclado.

Devemos evitar falar ao telefone, encaixando-o entre o ombro e a orelha ao trabalhar com o computador. Esta posição exerce muita pressão sobre o pescoço e os ombros. Se precisarmos, opte pelo viva-voz. Também não é bom fazer meias voltas, é melhor virar o corpo completamente.

2. Monitore o ambiente em que nos encontramos
É muito importante que a sala onde a criança se encontra tenha um grau adequado de umidade, seja bem ventilada e a luz seja correta (que não incide diretamente sobre ela e não é muito intensa).

3. Faça pausas
Não devemos ficar mais de duas horas sem nos mover. É necessário parar até 5 minutos a cada hora. Podemos aproveitar para beber água, ir ao banheiro, fazer movimentos de punhos, ombros e alguns alongamentos de costas, peito ou pescoço.

A produção de rasgo mostrou ser menor em pessoas que trabalham em frente a uma tela, causando mais secura. Também reduz a frequência de piscar e aumenta a abertura das pálpebras, o que aumenta a evaporação da lágrima e o ressecamento, o que pode causar coceira, queimação ou sensação de areia. Isso também acontece se a tela estiver mais alta do que o olhar.

É aconselhável lançar olhares de vez em quando sem mover a cabeça, à distância à frente, para um lado e para o outro, para cima e para baixo. Isso ajuda a prevenir o cansaço visual.

4. Evite reflexos
Filtros anti-reflexos podem ser usados. Não coloque as telas contra a luz ou na frente de uma janela, pois isso o obriga a ajustar continuamente a abertura e o fechamento do olho. Use iluminação adequada, de preferência indireta.

4. Visite o fisioterapeuta e oftalmologista
Ambos os profissionais poderão orientá-lo e ajudá-lo a se sentir melhor. O fisioterapeuta pode ajudá-lo a melhorar sua postura e o oftalmologista a controlar se há algum problema de visão.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Casos de síndrome de computador em crianças estão aumentando, na categoria Novas Tecnologias no site.


Vídeo: Summit COVID-19 Hospital Moinhos de Vento - aula 1 (Junho 2021).